sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

È muito fácil para uma mulher de classe arrumar um homem

Antes de mais nada, quero dar os parabéns aos outros homens: realmente eles têm muito bom gosto em matéria de mulher. Bota bom gosto nisso! Parece que eles usam as minhas preferências como critério para escolherem com quem eles dividirão o espaço de uma enorme cama.

Quase simultaneamente foi anunciado que, além do casamento às escondidas de Natalie Portman, houve também o início do namoro de Elizabeth Olsen com outro ator, com fama de Don Juan. Logo duas das mais desejadas mulheres da atualidade.

Sei que elas são famosas, estrangeiras, fatos que nada têm a ver comigo e que os outros homens merecem ser felizes. Mas isso me põe a pensar. Como isso acontece de maneira frequente, se a sociedade, em um imenso coral em uníssono, garante que a maioria das mulheres - e as melhores - estão sozinhas? Como afirmar uma ideia como uma crença incontestável, se na prática acontece exatamente o oposto?

Tudo bem que tem aparecido algumas famosas solteiras de qualidade como Marjorie Estiano. Mas não é por falta de homem que ela está sozinha. O motivo de seu recente "encalhe" foi revelado: Excesso de trabalho. A bela pretende, após a novela, mergulhar de cabeça em vários projetos. São tantos projetos, que ela vai adiar a retomada de sua carreira de cantora, apesar da vontade imensa. Dá para perceber porque uma beldade que tem vontade própria e inteligência está sozinha na pátria dos "Don Juans de plantão".

E as pobres mortais, que estão sozinhas? Porque não sobra nenhuma de qualidade? Porque as que sobram sempre vem com problema de "bônus extra"? Porque, paradoxalmente, mulheres independentes se casam e mulheres submissas vivem encalhadas? Isso só pode acontecer no país dos absurdos!

Se pelo menos a sociedade ignorante que pensa que futebol é "patriotismo", golpe do baú é "romantismo" e pop americano é "canção de protesto", assumisse a realidade e reconhecesse que esses mitos tão defendidos não passam de papo furado, seria melhor. No último carnaval houve a insistência em difundir a velha e mentirosa crença do excesso de solteiras, mantendo vivo o preconceito machista de que "o produto (mulheres) não deve faltar para a demanda (homens)".

Isso é mentira. Todos sabem que é muito mais fácil para uma mulher desencalhar, desde que ela seja bonita e não seja vulgar nem burra. Não são essas as mulheres que tomam iniciativa, mesmo.

Há muito está sendo provado de que a maioria da população brasileira é masculina e que na conquista, leva a melhor quem é mais esperto ou quem tem mais sorte. Tirar as oportunidades de quem não se enquadra nas exigências sociais é uma crueldade sem tamanha que nos leva de volta aos velhos e tristes tempos dos campos de concentração, onde seres humanos eram cruelmente eliminados por não se estarem, de acordo com os padrões exigidos pelo sistema.

Mas pelo menos é melhor viver sozinho, com dignidade, do que mal acompanhado, acreditando numa justiça social e benevolência que não conseguimos vê-la por aí.